Foto: Sérgio Lima/Poder360

Nesta segunda-feira, durante a convenção estadual do PDT, no Espírito Santo, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE) proferiu novos ataques a Lula e a Jair Bolsonaro, principais favoritos na disputa presidencial de 2022. De acordo com o político cearense, o atual presidente é um “boçal genocida”, enquanto o petista quer fazer o povo esquecer dos problemas inerentes ao período em que governou o país.

 

Em um tom de agressividade maior em relação ao ex-presidente Lula, Ciro Gomes destaca as falhas da gestão do petista no campo ético, além de “responsabilizá-lo” mais uma vez pela ascensão de Bolsonaro. “O Lula quer que a gente esqueça tudo que aconteceu na política, na economia, tudo que aconteceu no campo moral, tudo. Porque de fato se nós lembrarmos do Lula em comparação com a tragédia de um genocida boçal, ladrão como o Bolsonaro, de fato o Lula pula alto como uma solução muito melhor. Só que se repetirmos no passado, as mesmas virtudes, defeitos, caminhos e soluções, qual a dúvida de que nós teremos o mesmo resultado?”, disparou.

 

No discurso, o ex-governador do Ceará relembrou o momento em que abdicou da pré-candidatura à presidência, devido à votação favorável de parlamentares da legenda na proposta governista da PEC dos Precatórios. “O episódio foi superado. Aquilo foi um ato de luta. Nós não podemos aceitar que o calote contra aposentados, contra professores, seja o mecanismo para fazer o financiamento da pobreza”, ressaltou Ciro Gomes.

 

Antes estabelecido como nome preferido da chamada “terceira via”, Ciro Gomes vem perdendo espaço nas últimas pesquisas, sobretudo após a entrada do ex-juiz Sérgio Moro na corrida ao Palácio do Planalto. Essa será a quarta tentativa do ex-ministro da Fazenda de se tornar chefe do executivo federal.