O despresidente Jair Bolsonaro em uma entrevista concedida ontem, quarta, ao programa Meio-Dia RN disse acreditar que os ministros Rogério Marinho e Fábio Faria, respectivamente do Desenvolvimento Regional e Comunicações e ambos potiguares, chegarão a um entendimento sobre quem será o candidato ao Senado na base bolsonarista.

Disse Bolsonaro: “Não pode os dois querer a mesma coisa… quem sabe no final das contas os dois terem um par ou impar…”.

Ainda que tenha sido uma brincadeira, à moda de tiozão de churrasco, que é o que Bolsonaro sempre foi, revela a total inapetência para fazer política do Jair. Ele nunca fez política e mesmo como presidente nunca nem mesmo tentou fazer.

Repito: Foi um gracejo, mas, no fundo talvez Bolsonaro pense realmente isso, que é melhor não intervir, deixar que Fábio e Rogério resolvam seus problemas paroquianos, seja no diálogo político seja realmente no par ou ímpar.

Se depender do despresidente, Fábio e Rogério poderão resolver suas diferenças num jantar no Marechal, no sugerido par ou ímpar, na ´purrinha`, dominó ou, quem sabe, na bala, à moda dos antigos duelos, já que Bolsonaro sempre defendeu que o cidadão tem que andar armado para se defender. E cada vez mais tenta liberar o acesso de armas de fogo para a população.

Brincadeira grosseira como esta minha à parte (viu, Jair, como eu também consigo quando quero) Fábio e Rogério (é brincadeira, viu, ministros, ao modo agressivo que o chefe de vocês faz) tiveram certeza que Bolsonaro não apenas não vai intervir na questão local como meio que está cagando (para usar outro termo usado pelo próprio despresidente) para quem serão os candidatos ao Governo e Senado no RN. Na verdade Jair está cagando para qualquer coisa que não seja ele mesmo e seus filhos. Boa sorte em 2022 para Fábio e Rogério. Eles vão precisar.