Na última segunda-feira, a Advocacia Geral da União (AGU) enviou uma notificação extrajudicial à revista IstoÉ exigindo um direito de resposta para o presidente Jair Bolsonaro. Na semana passada, o periódico fez uma montagem de capa associando o atual chefe do executivo federal a Adolf Hitler.

 

De acordo com a revista, Bolsonaro teria assumido posições semelhantes ao nazismo, uma vez que demonstrou, segundo a linha editorial do periódico, desprezo à vida das pessoas durante a vigência da pandemia do novo coronavírus. Ademais, além da frase “as práticas abomináveis do mercador da morte” destinada a Bolsonaro, a imagem expõe, abaixo do nariz do presidente, a palavra “genocida”, em simulação ao bigode característico de Hitler.

 

Como resposta à veiculação da IstoÉ, a AGU requereu que a revista faça uma nova capa, em que Bolsonaro aparece desfilando no 7 de setembro para os jovens brasileiros. Além disso, a instituição pede que as palavras de ataque sejam alteradas para os dizeres “Bolsonaro defendeu a vida, o emprego, a liberdade e a dignidade”.

 

Ainda deve ser publicada uma nota que lista as medidas do governo no combate à pandemia, além das medidas econômicas. O texto também deve dizer que a publicação da IstoÉ se configurou como um “artifício ridículo, pueril, acintoso e criminoso”. Nesse sentido, em vez de “Arquiteto da tragédia”, o título deve ser substituído por “Vidas, emprego, dignidade”

 

“A Revista Istoé atacou as instituições Presidência da República e Governo do Brasil de um modo sem precedentes, com o artifício mais baixo e arrogante do debate político, explorando a um só tempo a dor do povo judeu e a dor de quem perdeu pessoas amadas na Covid”, deve dizer o texto, segundo a notificação da AGU.

 

A revista é obrigada a atender à notificação no prazo de 7 dias. “A eventual recusa caracterizará, nos termos do art. 5º da Lei nº 13.188/2015, o interesse jurídico para a propositura da ação judicial correspondente, sem prejuízo da adoção das demais providências cabíveis no âmbito penal e cível”, aponta a notificação, assinada pelo advogado-geral da União, Bruno Bianco.

 

Foto: diariodonordeste.verdesmares.com.br