Candidato pela quarta vez à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT-CE) atacou novamente o ex-presidente Lula, classificando-o como “negacionista”. A adjetivação proferida pelo ex-ministro da fazenda foi suscitada pela declaração do ex-mandatário, o qual minimizou a tentativa de busca por uma “terceira via”, isto é, um nome que possa disputar em condições de igualdade contra a tendência de polarização entre Lula e Bolsonaro.

 

De acordo com Ciro Gomes, o ex-presidente presta um desserviço à democracia, na medida em que se posiciona contra o debate de ideias e o aparecimento de nomes que possam fomentar as discussões políticas em bom nível. “A prova cabal de que temos um novo tipo de negacionismo. Como bom negacionista, este aqui nega a política e a democracia subvertendo suas raízes: o debate e a disputa de ideias. O autoritarismo e a subversão dos significados são mesmo o último refúgio dos… (completem vocês…)”, declarou o ex-governador do Ceará.

 

O ex-presidente Lula, em entrevista à Rádio Capital, se utilizou de ironias para se referir a uma possível terceira alternativa forte para a corrida ao Palácio do Planalto. O petista, para reforçar sua argumentação, apontou que a mídia, ao evidenciar opções que possam ascender ao comando da nação, atrapalha o processo democrático.

 

“O que acho que deve acontecer agora é que em vez das pessoas ficarem discutindo uma terceira via, seria importante que dos 32 partidos que nós temos funcionando no Congresso Nacional todo mundo lançasse candidato. E não ficar procurando candidato como se os setores da comunicação estivessem fazendo um vestibular para ver quem vai disputar a Presidência. Isso diminui a política”, ressaltou Lula.

 

Lula, embora tenha avaliado que a terceira via pode fragilizar as discussões em prol da nação, salienta que todos os partidos deveriam optar pela candidatura própria. Para embasar sua fala, o líder do Partido dos Trabalhadores relembrou da sua primeira candidatura à presidência, em 1989, quando tinham 12 postulantes. “As eleições serão em dois turnos, então todo mundo lança candidato. Vamos ver a força de cada partido político, de cada candidato, e os dois mais votados vão para o segundo turno”, afirmou.

Foto: oglobo.globo.com