Pai, por onde eu começo?

Fazia tempo que você deixou de entender e dizer bem as palavras

Mas eu sabia que nunca deixou de entender gestos de carinho e amor

E eu fiz o que pude para você se sentir amado

Até mesmo quando você se ausentava de você mesmo

 

Você me ensinou tanto a entender as ciências exatas

Você também me ensinou a entender as relações humanas

Foi a minha referência, o meu porto e a minha inspiração

Você me ensinou a correr atrás para não me distanciar e me perder dos meus objetivos

Como eu teria sido e aonde eu teria ido, sem o seu empurrão?!

 

Conheci o seu interesse pelo boxe, fórmula 1, futebol, barco, carro, avião, animais

Mr. Bean, Dire Straits, Bee Gees, pão com mortadela e pescaria

A sua atenção convicta aos noticiários, a teimosia em ganhar na loteria e a fé na ufologia

O sorriso nas piadas bobas

O seu cantarolar desafinado acompanhando o violão, apesar do bom gosto indiscutível pela música

E o seu amor tão transparente e zeloso por mim e pela nossa família.

 

Conheci os seus conselhos, as suas broncas e os seus elogios

Os momentos quando você estendia aos outros, e não só a mim, a sua mão

A espontaneidade e o poder do seu altruísmo

Que iluminava e preenchia não só ao seu próprio, mas também o meu coração.

 

Pai, por onde eu termino?

Nunca pensei que te diria adeus em toda minha vida

Vejo você imóvel, ao lado de flores

Beijo sua testa, agora tão fria, e agradeço por tudo

Vá em paz, sabendo que, ao largar a minha mão, eu seguirei o restante do meu caminho.