O tão desejado assento ao lado da janela do ônibus, proporcionava-me observar, além das ações cotidianas, a bela paisagem do rio Potengi e o manguezal. Esse cenário faziam-me esquecer, por um momento, as diversas tarefas que teria para executar até o final do meu dia. Estamos tão automatizados no nosso cotidiano, com produtividade e competitividade, que não valorizamos o pouco da natureza que ainda existe ao redor. Dentre tantos ecossistemas que há na nossa cidade, venho destacar nesse texto o manguezal. Você apenas o conhece pelo olhar através das janelas?

Desde 2017 meu trabalho no sítio histórico e ecológico Gamboa do Jaguaribe possibilitou uma sútil (re)conexão com minhas raízes indígenas; esse ecossistema e tudo que está relacionado a ele: a fauna, a flora, as águas, o solo, os costumes tradicionais dos pescadores, marisqueires da comunidade, um ar diferenciado e puro em meus pulmões. Todo esse processo não foi apenas consequências das minhas vivências. É importante lembrar que leituras sobre todos esses elementos que são intrínsecos também foram e são necessárias.

Segundo os dados do Atlas dos Manguezais, o Rio Grande do Norte possui aproximadamente 13 5353,30 mil hectares, que representam cerca de 1% do manguezal do Brasil. As áreas de manguezais têm uma importância gigantesca para cidade, porque possuem variadas funções benéficas ao meio ambiente e aos humanos. As rajadas de vento que chegam na Zona Norte de Natal/RN, por exemplo, são graças aos manguezais, que direcionam esse ar para os bairros. Cerca de 70% das espécies marinhas se reproduzem nesses locais e, certamente, o peixe que você se alimenta é oriundo desse ecossistema.

As comunidades que vivem próximas ao manguezal utilizam esse rico ambiente como meio de subsistência e lazer, seja através da pesca e coleta de mariscos, seja por atividades que fomentam um turismo alternativo, com passeios de barco pelos braços dos rios. Esse ecossistema é ainda responsáve porl outros serviços ecossistêmicos para sociedade.
A maior parte da sociedade e os órgãos ligados à proteção do meio ambiente ainda viram o rosto e tampam o nariz, invisibilizando, dessa forma, não somente o manguezal, mas também outros ecossistemas importantes para nossa existência.

O desmatamento ocasionado pela carcinicultura, a especulação imobiliária e a poluição que vem de todas as direções, inclusive do lixo que você joga na rua, trazem como consequência problemas socioambientais repudiáveis. Precisamos compreender os retornos positivos que esse ecossistema nos traz, ao passo que também precisamos mantê-lo vivo. Todavia, é preciso olhar primeiro para o jardim e o quintal da sua casa. Saíamos das janelas para sentir e afundar os pés no mangue.

Mangue é vida!