Para Francis

 

Um cheiro inconfundível acende as minhas narinas. À medida que caminho fica mais forte. Inclino a cabeça entre as grades e lá está ele. Como um animal daquele tamanho veio parar em um bairro residencial? Tenho coragem e abro o portão. Ele se aproxima e reclina a cabeça…deslizo uma das mãos sobre o pelo macio e lustroso. Dou um passo atrás para ver melhor aquela figura forte, proporcional, de expressão sadia e vigorosa. Tão altivo e belo, um metro e cinquenta centímetro mais ou menos. Me vejo capturada em seus olhos… e lá estou mais uma vez perplexa, imóvel e alumbrada diante da elegância.

meus olhos passeiam pelo dorso do animal. Percebo um fio de sangue fresco que escorre de uma das ancas. Baixo um pouco a cabeça para examinar melhor o ferimento. Quanta maldade! A carne foi talhada várias vezes em pedaços miúdes. Num ato tampei parte da ferida com as próprias carnes dependuradas. Ele se inquietou. Fez uma marchar ensaiada e me acuou em direção ao muro. Suspendo a respiração… para ensaiar o próximo passo de uma ação do que não sei o que fazer.

De onde veio essa beleza, Hipólita? Apareceu por aqui vindo não sei de onde! Talvez de Nárnia. E quem sabe ele fale como Bree e esteja à procura de ar fresco e liberdade. Francisca age diante da minha inércia e traz água e farinha de milho para o pobre animal ferido. Agora vamos tomar umas providências. Ela me dar ordens para ficar de olho no nele.: não permita que ele saia daqui… Como assim? Não tenho como deter esse bicho… tem sim. É dócil!

Já há uma distância de que é impossível se ouvir alguma coisa, Francisca solta algumas palavras ao vento. E só me chega uma delas: MARCHADOR. Tendo me distrair na certeza de que vou ficar presa a ele pelos olhos. E fico. Será que é branco com manchas negras? Ou preto com manchas brancas? Há poucas manchas brancas! Negro!

Você conseguiu, Hipólita! Francisca chega com dois homens com “ares de graças a deus” por terem encontrado o animal.  E já na carretinha do carro um dos homens afirma para Francisca.: “Sim, um MANGALARGA MARCHADOR.”  Eu sabia! Sabia mesmo! Leia isso, leia: “considerado a raça mais antiga formada na América Latina, resultado do cruzamento de cavalo Andaluz com éguas nacionais, cujo resultado foi combinado depois com Puro Sangue Inglês, Árabe, Anglo – Árabe e American Saddle Horse para aperfeiçoar habilidades em lidar com o gado e para as práticas esportivas, na época, a caça ao veado.”  Sorte a sua, Hipólita, em ter uma raridade dessa em sua porta. É isso – tem gente que tem dons divinos e ofertam dádivas aos outros.